Nos últimos anos, universidades e outros segmentos do mundo corporativo têm fomentado discussões sobre a importância da formação de um capital humano mais eficaz. Esse posicionamento reflete a necessidade dos colaboradores atenderem com maior assertividade as essas demandas de trabalho. Por isso, tornou-se relevante que os profissionais de hoje também desenvolvam aspectos que vão além da dimensão técnica.

Soft skills vs. hard skills

A palavra “skills” vem do inglês e é traduzida como a capacidade ou habilidade de realizar um bom trabalho. Essa habilidade pode ser dividida em dois âmbitos: interpessoal e técnico.As soft skills são habilidades interpessoais subjetivas, de difícil identificação e diretamente relacionadas à inteligência emocional das pessoas, sendo definidas como “capacidades não técnicas relacionadas ao trabalho”. Estas costumam ser adquiridas por meio das experiências vivenciadas ao longo do tempo, e não em livros e cursos. Diferentes das chamadas “hard skills” – aquelas que são específicas para cada área, normalmente entram no currículo e são aprendidas em cursos, faculdades, escolas ou outros empregos.


Já as hard skills são as competências técnicas, habilidades que podem ser ensinadas e desenvolvidas em treinamentos corporativos ou capacitações para melhorar a qualificação profissional. Como exemplos temos domínio em uma língua estrangeira, graduação, competências relacionadas a informática entre outros.

4 soft skills que todo bom profissional deve ter

Depois do entendimento da diferença entre ambos os termos, é importante ressaltar quais são os benefícios de desenvolver soft skills. Segundo a revista Forbes, as soft skills deixaram de ser desejáveis e tornaram-se essenciais no ponto de vista da contratação de novos empregados para uma empresa, o que reforça a importância de que a nova geração de profissionais se adapte às exigências do mercado. Pensando nisso, separamos algumas habilidades interpessoais essenciais.


1. Trabalhar sob pressão: bons profissionais sabem gerenciar estresse sem perder o foco. Esta competência se relaciona diretamente à adaptabilidade frente a mudanças e obstáculos do dia a dia, e também possui uma ponte de contato com a resiliência, termo constantemente abordado durante o ano de 2020.

2. Comunicação interpessoal: profissionais que transmitem informações ou ideias com clareza ao mesmo tempo que sabem a hora de ouvir e o fazem atentamente são reconhecidos por isso. Esta competência possui uma relação com a prática da escuta ativa e dos feedbacks.

3. Liderança de equipe: pessoas que sabem engajar, motivar, inspirar e desenvolver talentos são altamente valorizados profissionalmente, pois toda organização precisa de líderes. Nesse sentido, é importante ressaltar que bons líderes se preocupam não só com os resultados, mas com o desenvolvimento individual da equipe.

4. Gestão de tempo: saber administrar o próprio tempo significa entender quais são as prioridades do dia a dia e contabilizar o tempo necessário para o cumprimento de cada tarefa. Ou seja, essa soft skill está relacionada à organização.

Como exercitar competências comportamentais

Assim como as hard skills, as soft skills são uma habilidade a ser exercitada e, por isso, exigem prática e engajamento ativo a fim de serem aprimoradas individualmente. Algumas maneiras de trabalhar suas habilidades interpessoais são:


1. Trocando feedbacks: essa é a melhor forma de saber o que já foi desenvolvido e o que ainda precisa ser trabalhado, visto que os feedbacks tem como objetivo central ser uma ferramenta de desenvolvimento. Este deve ser exercitado no dia a dia, na relação com pessoas próximas tanto no âmbito profissional quanto pessoal. Os feedbacks permitem um momento de reflexão e estabelecimento de planos de ação para melhoria em determinados aspectos, além de também serem uma forma de aprender a lidar com críticas construtivas.

2. Saindo da zona de conforto: o crescimento raramente acontece sem adversidades. Explorar o desconhecido costuma causar insegurança, e é importante não ter o medo de falhar ao tentar algo novo, porque erros são aprendizados tão ricos quanto os acertos. A partir de novas experiências, é possível desenvolver e fortalecer diversas habilidades interpessoais.


3. Fazendo parte de uma empresa júnior: empresas juniores são compostas integralmente por alunos de graduação, permitindo que um grupo de jovens sejam responsáveis por gerir uma empresa, lidarem com as responsabilidades que isso implica e aprenderem com os erros. Por conta disso, sócios de uma empresa júnior desenvolvem diversas soft skills, tais como liderança, oratória, gestão de tempo e resiliência.

  • Gabriela Tapajós e Giovanna Camps
× Agende um diagnóstico